quarta-feira, 12 de setembro de 2018

Presos sete suspeitos de explodir banco e metralhar viatura da PM em São Luís Gonzaga

Do Jornal Pequeno




Como resultado de uma operação deflagrada pela Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic), com o apoio de outras unidades das polícias Civil e Militar, sete envolvidos na explosão de uma agência bancária em São Luís Gonzaga, fato ocorrido na madrugada do último dia 6, foram capturados ontem (11). Três dentre os investigados possuem mandados de prisão decretados. Alguns veículos foram apreendidos, durante a operação policial.

Segundo informações descritas pela delegada Nilmar da Gama, titular da Seic, desde a explosão do Banco do Brasil (BB), o Departamento de Combate a Roubos a Instituições Financeiras (Dcrif) estava colhendo dados que levassem à identificação dos suspeitos. Assim sendo, uma equipe de policiais civis se deslocou a São Luís Gonzaga, onde conversou com testemunhas, analisou imagens de videomonitoramento e averiguou vestígios coletados na cena do crime.

Após dias de levantamentos, o Dcrif conseguiu, junto à Justiça, a expedição de mandados de prisão temporária contra Valdivino Vieira e Aline Moreira Lima. Após isso, os policiais identificaram os demais membros da quadrilha, que são Jacinto de Souza Silva, Bruno Milhomens, Marbyo Alves da Costa, Joaquim Henrique Silva Neto, o “Neto”; e Itamar de Souza Salles, o “Pernambuco”. O grupo foi encontrado em cidades distintas do Maranhão, como Grajaú, Bacabal, Barra do Corda e Presidente Dutra, conforme a delegada Nilmar.

Porém, somente Marbyo foi encontrado no Piauí, pelo Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Greco), um órgão da Polícia Civil piauiense, conforme Nilmar. Quase todos eles, disse a delegada, possuem passagens por crimes como roubo, furto, porte ilegal de arma de fogo e receptação. Durante as incursões, os policiais apreenderam um Fiat Strada, uma Toyota Corolla, um Jeep Renegade e uma espingarda calibre 20. Além de munições daquele calibre e de calibres 38 e 380. Os veículos foram utilizados pelos bandidos na chegada e fuga após a explosão bancária.

Importante destacar que a Seic participou da operação juntamente com as delegacias regionais de Barra do Corda, Presidente Dutra e Bacabal, sendo que a Diretoria de Inteligência e Assuntos Estratégicos (Diae), da Polícia Militar, também atuou nas diligências.

A EXPLOSÃO


Segundo colhido pelo Dcrif, um grupo formado por mais de dez homens participou da ação criminosa, sendo que, além de terem detonado o prédio bancário, os envolvidos ainda metralharam uma viatura da Polícia Militar que estava estacionada em frente ao Destacamento. O carro policial, inclusive, ficou completamente perfurado, pois os suspeitos desferiram vários tiros contra o veículo do 15º Batalhão de Polícia Militar (BPM). Após detonar a agência, o grupo levou uma pessoa como refém, que foi colocada no capô de um dos carros utilizados na fuga. Conforme a Seic, os criminosos não conseguiram subtrair dinheiro do cofre do BB porque a laje desabou durante a explosão.

0 comentários:

Postar um comentário

Fique a vontade, sua opinião é livre e de grande importância; contudo é de inteira responsabilidade do leitor e não representa a opinião do autor desta página. Prezamos pela ética e pudor. Os comentários serão publicados em até 24 horas após passar por análise.