segunda-feira, 18 de abril de 2016

Câmara aprova impeachment e deixa governo Dilma por um fio

Contrariando expectativas de uma votação acirrada, a Câmara dos Deputados acaba de aprovar - com larga vantagem - a continuidade do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff.
Por volta das 23h07m, 342 deputados (que é o mínimo necessário para aprovar o impeachment na Casa) já tinham votado pelo prosseguimento da ação.
O placar final da votação foi 367 votos favoráveis, 137 contrários, 7 abstenções e 2 faltas. Com isso, o governo conquistou 146 apoios - 26 a menos do necessário para barrar o processo. 
A votação de hoje foi marcada por uma série de traições de parlamentares da base aliada e garantiu à oposição uma larga vantagem sobre o governo desde o início da sessão.

Dos 25 partidos com representantes na Casa, 17 orientaram seus filiados a votar pela aprovação do impeachment.
Apenas 6 siglas (PT, PR, PCdoB, PSOL, PDT e PTdoB) defenderam a manutenção do governo Dilma. Rede e PEN liberaram sua bancada para votar conforme a consciência.
A decisão dos partidos não foi suficiente para impedir votos desfavoráveis ao governo. A onda de traição rendeu até a renúncia do o deputado Alfredo Nascimento (PR-AM) à presidência do partido. Ele, que foi ministro dos Transportes dos governos Lula e Dilma, contrariou a decisão da sigla ao apoiar o impeachment no Plenário.

A maior de todas as derrotas – até agora

É exatamente graças a problemas de conciliação com sua base que a presidente Dilma Rousseff (PT) convive, desde dezembro do ano passado, com a possibilidade de ver seu mandato abreviado.
Foi um membro do então principal partido aliado do governo - o presidente da Câmara e peemedebista Eduardo Cunha - que partiu a iniciativa de aceitar o pedido de impeachment protocolado pelos juristas Hélio Bicudo, Miguel Reale Jr e Janaína Paschoal.

Exame.com

0 comentários:

Postar um comentário

Fique a vontade, sua opinião é livre e de grande importância; contudo é de inteira responsabilidade do leitor e não representa a opinião do autor desta página. Prezamos pela ética e pudor. Os comentários serão publicados em até 24 horas após passar por análise.