quinta-feira, 3 de março de 2016

IstoÉ antecipa edição e revela a delação de Delcídio: Lula e Dilma no epicentro do terremoto

Em uma reportagem exclusiva da revista IstoÉ que chega às bancas este final de semana, o senador Delcidio Amaral faz uma série de delações bombásticas à força-tarefa da Lava Jato. O depoimento, obtido pela revista, complicam a situação política da presidente Dilma e comprometem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Segundo a reportagem, pouco antes de deixar a prisão, no dia 19 de fevereiro, o senador Delcidio Amaral (PT-SP) fez um acordo de delação premiada com a força-tarefa da Lava Jato.  O documento, de 400 páginas, mostra segundo a revista o mais explosivo relato até agora revelado sobre o maior esquema de corrupção no Brasil - e outros escândalos que abalaram a República, como o mensalão.

De acordo com a revista, com extraordinária riqueza de detalhes, o senador descreveu a ação decisiva da presidente Dilma Rousseff para manter na estatal os diretores comprometidos com o esquema do Petrolão e demonstrou que, do Palácio do Planalto, a presidente usou seu poder para evitar a punição de corruptos e corruptores, nomeando para o Superior Tribunal de Justiça (STJ) um ministro que se comprometeu a votar pela soltura de empreiteiros já denunciados pela Lava Jato.

O senador Delcídio também afirmou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tinha pleno conhecimento do propinoduto instalado na Petrobras e agiu direta e pessoalmente para barrar as investigações - inclusive sendo o mandante do pagamento de dinheiro para tentar comprar o silêncio de testemunhas. O relato de Delcídio é devastador e complica de vez Dilma e Lula, pois se trata de uma narrativa de quem não só testemunhou e esteve presente nas reuniões em que decisões nada republicanas foram tomadas, como participou ativamente de ilegalidades ali combinadas a mando de Dilma e Lula, segundo ele.

Para ler a reportagem completa, clique aqui!


Lula sabia de tudo do petróleo


Delcídio afirmou que Lula tinha pleno conhecimento do propinoduto instalado na Petrobras.
Pela proximidade com o ex-presidente, o depoimento do senador tem mais peso que o de Alberto Youssef a respeito.
Mas a informação, com base na delação do doleiro mais tarde tornada pública, foi revelada por VEJA em outubro de 2014, às vésperas da eleição, o que gerou ataques por parte do PT.

0 comentários:

Postar um comentário

Fique a vontade, sua opinião é livre e de grande importância; contudo é de inteira responsabilidade do leitor e não representa a opinião do autor desta página. Prezamos pela ética e pudor. Os comentários serão publicados em até 24 horas após passar por análise.